sexta-feira, 19 de junho de 2015

FEMINISTA, AFINAL

Sim, eu sou feminista, porque essa é uma perspectiva ideológica, e ninguém, além de mim, pode definir como eu devo ou não pensar.

Isso significa, basicamente, que eu concordo que o patriarcado, a dominação masculina, a misoginia, o machismo, são todos sistemas que precisam ser combatidos. Significa que eu acredito que o feminino não é, sob nenhum aspecto, inferior ao masculino. Que mulheres não são, sob nenhuma dimensão, inferiores aos homens. Que mulheres não devem ser tratadas, sob nenhuma circunstância, como propriedade masculina. Que mulheres não devem, em nenhum momento, ser subjugadas por homens. Que homens, mulheres e quaisquer pessoas devem ser livres para ser como quiserem e puderem ser, sem expectativas e cobranças que os limitem e os reprimam.

Não, eu não sou militante feminista, porque as mulheres têm toda a capacidade e direito de tocar essa militância sem interferência, e isso é muito bom. Não, eu não sou homem. Você pode me designar assim, a sociedade me designou assim quando eu nasci. Mas eu não me designo assim.

Não, eu não sou mulher. Eu sou um sujeito não-binário. Não me identifico com nenhum dos dois papéis/lugares/designações. Me identifico sem hierarquias com aspectos do masculino e com aspectos do feminino, e tô muito bem resolvido e feliz assim.

Se você não é capaz de entender isso, por favor, tente se esforçar para fazê-lo ao invés de negar essa possibilidade (eu também não era capaz há algum tempo e sofria muito por não conseguir me definir).

A minha perspectiva é construída em torno do feminismo liberal. Eu acho o feminismo radical um movimento autoritário e intolerante. Acho feministas radicais sujeitos que não sabem lidar bem com a alteridade, tanto quanto cristãos fundamentalistas.

Como eu não sou mulher, tem coisas das experiências de ser mulher que eu não domino bem. Eu tento usar a empatia para entender, mas nem sempre consigo. Por isso, eu agradeço às mulheres que demonstram boa vontade para apontar equívocos nos meus posicionamentos, afinal nenhuma mulher é obrigada a me dar essa ajuda.

Quando eu me equivoco, minha intenção não é impor meus pensamentos ou silenciar uma mulher. Minha intenção é sempre debater com pessoas (homens, mulheres ou não) sobre assuntos que despertam nosso interesse, mas às vezes eu apresento posicionamentos machistas e tenho atitudes misóginas. Todos nós (homens, mulheres ou não) somos, em algum grau, machistas e misóginos, porque a linguagem, as instituições, a cultura, tudo é assim, e a gente não é nunca completamente consciente dessas coisas. Mas claro, como sou designado como homem existem assimetrias de poder legitimadas socialmente nessas interações, o que exige que o meu cuidado tenha que ser redobrado para não fazer algo opressivo. Mas o mais importante, a meu ver, é ter a boa vontade de aprender.

Nem todos os meus posicionamentos divergentes se devem ao fato de eu não ser mulher. Mulheres diferentes também têm posicionamentos diferentes. Além disso, eu tenho uma formação acadêmica e uma bagagem de leitura que me faz ver os fenômenos em geral, e não só os relacionados ao feminismo, de determinado lugar diferente do de outras pessoas.

Mas ultimamente, eu tenho estado tão envolto nessas discussões, que nada mais tem me trago diversão. Facebook, televisão, cinema, tudo eu tenho transformado em discussão sobre feminismo, e isso tá me fazendo muito mal.

Quando eu era pequeno, eu chorava quase todos os dias porque os meninos diziam que eu não era homem. Ultimamente, eu tenho chorado quase todos os dias porque as meninas dizem eu sou. Então parei com isso, pelo menos por enquanto.

Saí dos grupos em que eu discutia esse assunto, parei de seguir as páginas sobre esse assunto no Facebook, mudei o meu projeto de pesquisa do doutorado pra pesquisar outra coisa.

Esse é o último post que eu pretendo fazer sobre essa problemática por um longo período (tomara que eu consiga). Quis fazê-lo como um fechamento, uma conclusão dos meus pensamentos até aqui, antes de me sentir à vontade para debatê-los de novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário